Estar em Portugal é estranho

Vim visitar o país onde cresci, visitar os amigos e familiares, os que ficaram cá. São dias passados a correr de um lado para o outro, para satisfazer todos os pedidos, e a tentar ter energia para tudo. “Férias”, dizem eles. Ser emigrante também é isto, até porque todos esperam que sejamos nós a visitar, e o lugar onde vivemos é sempre “lá longe” (visualizem-me a revirar os olhos, por favor)…

Estar em Portugal é estranho. Provavelmente isso é mais acentuado para nós, que vivemos na Noruega, no meio dos nórdicos que são TÃO diferentes dos portugueses… Estar em Portugal é, para mim, barulhento.

Aqui toda a gente fala. Falam alto e há sempre assunto de conversa, seja a crise ou a vida dos outros. Se não há assunto, inventa-se. Se quem ouve não nos entende… azar! 😀

No dia em que cheguei, ainda no aeroporto, precisei de ir à casa de banho (peço desculpa por esta partilha heheh). Por lá deparei-me com uma fila de mulheres, a maior parte estrangeiras. Na casa de banho estava também uma senhora da limpeza, a refilar muito decidida com essas mesmas estrangeiras – dizia que queria ver se havia papel higiénico suficiente e que não a deixavam trabalhar. Falava alto com elas, irritada por não lhe responderem, indiferente ao facto de ninguém ali entender português. E tratava todas por “filhotas”, o que eu achei o máximo! 🙂 Nesse momento sorri para mim mesma e pensei “pois é, estou em Portugal”. 😀 Lá dei dois dedos de conversa à senhora, que ficou toda contente.

Sempre que cá venho, ao caminhar na rua nos primeiros dias, sinto-me como se lesse os pensamentos das pessoas. É tão estranho ouvir falar português, tantas conversas cruzadas, tanta informação! Não consigo evitar estar sempre a olhar em volta espantada, como uma louca.

A semana passada, em Oslo, estava eu num elevador com uma colega de trabalho (norueguesa) quando entrou outra senhora (estrangeira, claro) e meteu conversa connosco. Quando essa senhora saíu do elevador, a norueguesa olhou para mim com ar de pânico e disse “que estranho, ela ter falado assim sem nos conhecer!”. Percebem? Em Portugal seria estranho ficar calado. Tive que explicar isso à minha colega, que ficou a pensar no assunto e achou muito curioso.

E pronto, hoje fico-me por estes devaneios, porque estão mil e uma coisas a acontecer nestes dias e ando cansada. Não dá para mais.

Até à próxima!

 

7 thoughts on “Estar em Portugal é estranho

Add yours

  1. Olá Maria 🙂
    Não me digas que começas a sentir-te estrangeira no teu país? Com o tempo, essa sensação irá, previsivelmente, aumentar.
    Na generalidade, tens razão: em Portugal, ou noutro país latino (em Espanha falam ainda mais alto), há esse excesso? de sociabilização. Mas, diz lá: apesar desse dispêndio de energia, não tens saudades desta correria e confusão? Depois, acabas por levar todos estes “mimos” para o frio da Noruega.
    No entanto, consigo-te perceber. Se fizessem um estudo, uma estatística, eu estaria um pouco fora da maioria; sou mais introspectivo, zelo a minha privacidade e o meu “cantinho”. Em certas coisas, devo ter uma costela viking 🙂
    Para terminar, intimamente, concordando ou não, o que achas que faz mais sentido? Porque apesar de alguns exageros, de conversa de chacha que se tem de aturar, ainda prefiro o calor humano de um sorriso, um cumprimento, à típica? Bom texto, continua 😉
    Boias férias!
    saudades desta correria e confusão? Depois, acabas por levar todos estes “mimos” para o frio da Noruega.
    No entanto, consigo-te perceber. Se fizessem um estudo, uma estatística, eu estaria um pouco fora da maioria; sou mais introspectivo, zelo a minha privacidade e o meu “cantinho”. Em certas coisas, devo ter uma costela viking 🙂
    Para terminar, intimamente, concordando ou não, o que achas que faz mais sentido? Porque apesar de alguns exageros, de conversa de chacha que se tem de aturar, ainda prefiro o calor humano de um sorriso, um cumprimento, à típica? Bom texto, continua 😉
    Boas férias!

    Liked by 1 person

    1. Concordo com tudo o que disseste Ricardo! E sim, começo a sentir-me estrangeira… Já há uns bons anos que estou fora, por isso este sentimento não é recente.

      Respondendo às tuas questões: eu gosto dos dois lados. Vejo pontos positivos e negativos em ambos, e quando ando para cá e para lá acaba por ser sempre confuso, exige adaptação. Poderia meter aqui uma lista interminável de situações em que me senti embaraçada, ora porque reagi “norueguesamente” em Portugal, ou vice-versa. É por isso que acho que a vida de qualquer emigrante dá um blog! 😀

      Agora… O que faz mais sentido… Acho que fazem os dois. 🙂 Costumo dizer que se se misturasse os dois países, saía um perfeito.
      Cumprimentos e obrigada pelos comentários!

      Gostar

  2. hehheeh o perfeito retrato do ambiente com portugueses … somos muito expressivos, calorosos, e com vontade de conversar a todo o momento.
    Alguém me dizia que para além disso fazemos a “festa” sempre em volta da mesa 🙂
    Bjocas e bem vinda de volta ao “teu” cantinho, ainda que em férias.

    Liked by 1 person

  3. Houve partes do meu texto que ficaram ilegíveis porque não estou registado no ‘wordpress’ e, depois, ao copiar e publicar com o google+ ficaram excertos sobrepostos. Mas, apesar da trapalhada, deu para perceber o contexto 😉

    Gostar

    1. Folgo em saber que não sou a única a sentir estas “coisas estranhas” 😀
      Ser emigrante é uma coisa, emigrar para países como “os nossos” já é outro nível… Em termos de contrastes… E muita gente não compreende isso, naturalmente.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: